Culinária indígena que herdamos no Brasil

criança indígena comendo


Herdamos uma culinária indígena incrível no Brasil, e nem todos sabem o valor desses pratos típicos. Muitos deles comemos com frequência, e as comidas indígenas que utilizamos no cotidiano são extremamente saborosas. Os pratos típicos levam os mais variados alimentos, de raízes a frutas, de farinhas a peixes. Você certamente já fez uma receita indígena ou comeu algum prato que foi influenciado pela cultura dos nativos, como é o caso da querida tapioca.

Nesse artigo falaremos sobre quais pratos existem na nossa culinária por influência da alimentação indígena. Também traremos alguns nomes e pratos típicos puramente indígenas, além de algumas curiosidades sobre a gastronomia indígena.



A comida indígena

A alimentação indígena chamou atenção dos europeus logo que eles chegaram no Brasil. Diversos cronistas do passado mencionaram a culinária indígena, seus alimentos e formas de preparo. Além do choque que tiveram ao se deparar com tripos antropófagas (canibais), eles deixaram registrado muitos alimentos consumidos pelos nativos.

Já nas primeiras crônicas fala-se muito em amendoim, castanha de caju, milho assado com carne, feijão de todos os tipos, cará, rãs, caranguejos, mariscos. Hans Staden, alemão que passou pelo Brasil no século XVI, descrevia a farinha de mandioca, o peixe e a carne feita com pimenta vermelha, além do mel silvestre e uma bebida feita com aipim.


hans staden


Jean de Léry, francês do século XVII, também mencionou a farinha, mas a relacionando ao milho, bem como pimenta pilada no sal e bananas da terra.

Esses escritores mostram que já naquela época a base da culinária dos índios eram alimentos que influenciaram fortemente a gastronomia brasileira.

Pratos típicos indígenas

Engana-se quem acha que todos os índios possuiam os mesmos hábitos culinários. Cada tribo tinha uma culinária bastante específica. Todos costumavam se alimentar de frutas silvestres, pescados, raízes e outros alimentos. No entanto, cada comunidade criava seus pratos típicos a partir destes alimentos, sempre unindo novidade e tradição do seu povo, tal qual fazemos hoje.

Vamos ver algumas comidas indígenas que usamos no cotidiano.

Mandioca

Conhecida como macaxeira ou aimpim dependendo do lugar, a mandioca é a base da culinária indígena. Grande fonte de carboidratos, os índios faziam desde farinhas a bebidas com a mandioca. Hoje, é o alimento-base também de 800 milhões de pessoas no mundo inteiro.


crianças preparando alimento


Beiju

É um prato muito parecido com a Tapioca e às vezes confundido com ela. Era muito consumido pelos inígenas que habitavam a região nordeste, particularmente o estado de Pernambuco. Trata-se de uma espécie de panqueca feita com a massa da mandioca espalhada pela frigideira. Costuma ser recheada com diversos sabores, como queijo coalho e coco.


comida indígena

Tapioca

A tapioca é preparada com o amido da mandioca, que cria uma espécie de farinha. Ao ser esquentada, se torna uma goma de sabor neutro que combina com os mais variados recheios. Caso nunca tenha experimentado, não perca a chance porque hoje em dia é encontrada em qualquer supermercado.


receita dos índios

Moqueca

A moqueca vem da línga indígena que significa assado de peixes. Hoje é consumida na maioria das regiões como um cozido de peixes, mas sua origem é de assado. Os índios faziam o peixe em grelhas bambus. Ao longo do tempo sofreu alterações a partir dos portugueses e africanos, mas sua origem está na culinária indígena.


invenção indígena


Canjica

Não se sabe ao certo as reais origens da canjica, também conhecida como mungunzá em algumas regiões do Brasil. É certo que se trata de um prato consumido pelos indígenas, provavelmente os tupinambás. Feita com milho, dizem que era consumido puro, até os portugueses acrescentarem leite, açúcar e canela.

alimento com milho


Bebidas

Os indígenas americanos preparam uma bebida através de um processo de fermenação. Eles utilizam milho, caju, jabuticaba, macaxeira, jenipapo e mangaba.


Cauim

Também chamado de cahoi, é uma espécie de vinho, feito a partir da fermentação da mandioca ou do milho, que eram misturados a sucos de frutas. O alimento principal era cozinhado, mastigado e recozido para obter a fermentação. Dessa forma, as enzimas presentes na saliva humana quebram o amido de açúcar fermentável.


bebida fermentada dos índios


Caxiri

Os índios Macuxi, que vivem na região de Roraima, preparam o Caxiri através da mandioca braba. Ela passa por um processo de purificação, e em seguida perde sua casca para passar em um ralo. Obtém-se então uma massa pastosa, que é misturada com água. Essa bebida é preparada apenas pelas mulheres da tribo.


bebida feita pelos índios


Categorias antropológicas da culinária indígena

Os alimentos indígenas podem ser separados em seis categorias relacionadas à antropologia. Segundo o pesquisador paraense Abguar Bastos, esses alimentos divedem-se em Mágicos, de Resguardo, Compensatórios, Interditos, Sagrados e Privativos. Vamos entender cada um deles.

rituais indígenas

Alimentos Indígenas Mágicos

Os alimentos mágicos podem ser comidos por índios ou separados para que os espíritos os comam. No primeiro caso, o objetivo é conseguir realizar algo com ajuda do alimento. Por exemplo, caçadores de algumas tribos costumam ingerir infusões de vegetais para capturar determinado animal. No segundo caso, o pajé separa uma parte do alimento para que os espíritos possam se alimentar.


Alimentos Indígenas de Resguardo

Esses são consumidos em determinado processo de passagem de um estado social a outro. É normalmente um rito, uma cerimônia em que o indígena assumirá outra posição dentro da tribo, como nos casos de casamento. Essas comidas são ingeridas apenas nesses períodos porque os indígenas acreditam que, fora do rito de passagem, elas trariam consequências negativas para a pessoa. Por isso são comidos apenas em nascimentos, gestação, matrimônios e funerais.


índios preparando peixe


Alimentos Indígenas Interditos

São alimentos que os indíos não comem. Ou seja, eles são proibidos em algumas tribos por uma razão mitológica. Em grande parte das vezes os índios acreditam que o animal foi um humano em outros tempos, e por isso lhe devem respeito. Há outros casos, como acontece com os Kaingang do sul do Brasil, que não comem tamanduás porque, para eles, foi este animal que os ensinou a cantar e a dançar, e por isso lhe devem gratidão.


Alimentos Indígenas Privativos

Os indígenas separam certos alimentos que só uma parte da comunidade pode consumir. Os Suyá, do Mato Grosso, por exemplo, dedicam os miúdos da anta apenas para os homens. É o caso também dos Erigpagtsá, que reservam a cabeça dos macacos e porcos dos matos para os homens.


índigenas preparando comida


Alimentos Indígenas Compensatórios

São alimentos oferecidos como agrado, presente ou recompensa. Normalmente o indío realizou uma tarefa difícil, como a construção de uma oca. É uma forma de fortalecer os laços entre os indígenas e as famílias.


Alimentos Indígenas Sagrados

Os indígenas consomem os Alimentos Sagrados para serem influenciados espiritualmente por eles. Também podem estar relacionados a ritos de passagem, como a Kariana, um rito de puberdade no qual as meninas consomem um prato feito com pimenta, peixe cozido e defumado. No Amazonas, a tribo dos Marubo canta sobre um pote de mingau para oferecer a doentes, pois segundo eles o canto sagrado irá tirar a doença do enfermo.


Prove e valorize a culinária indígena que herdamos!

pratos típicos dos índios


Esperamos que você tenha gostado desse passeio pela gastronomia indígena. São muitos pratos que existem na nossa culinária sob influência da alimentação indígena. Por isso, precisamos valorizar essa culinária que herdamos, e levar para todos que ainda não experimentaram!

Não deixe de continuar o passeio pela riqueza cultural da gastronomia e culinária brasileira! Abaixo você encontra muitos outros artigos relacionados a nossa cultura e pratos típicos.



Culinária brasileira:


Continentes:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Discorde e critique, mas com educação. Para divergir da opinião do autor não é necessário ser mal educado. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados de maneira nenhuma.