Culinária indígena que herdamos no Brasil

criança indígena comendo


Herdamos uma culinária indígena incrível no Brasil, e nem todos sabem o valor desses pratos típicos. Muitos deles comemos com frequência, e as comidas indígenas que utilizamos no cotidiano são extremamente saborosas. Os pratos típicos levam os mais variados alimentos, de raízes a frutas, de farinhas a peixes. Você certamente já fez uma receita indígena ou comeu algum prato que foi influenciado pela cultura dos nativos, como é o caso da querida tapioca.

Nesse artigo falaremos sobre quais pratos existem na nossa culinária por influência da alimentação indígena. Também traremos alguns nomes e pratos típicos puramente indígenas, além de algumas curiosidades sobre a gastronomia indígena.



A comida indígena

A alimentação indígena chamou atenção dos europeus logo que eles chegaram no Brasil. Diversos cronistas do passado mencionaram a culinária indígena, seus alimentos e formas de preparo. Além do choque que tiveram ao se deparar com tripos antropófagas (canibais), eles deixaram registrado muitos alimentos consumidos pelos nativos.

Já nas primeiras crônicas fala-se muito em amendoim, castanha de caju, milho assado com carne, feijão de todos os tipos, cará, rãs, caranguejos, mariscos. Hans Staden, alemão que passou pelo Brasil no século XVI, descrevia a farinha de mandioca, o peixe e a carne feita com pimenta vermelha, além do mel silvestre e uma bebida feita com aipim.


hans staden


Jean de Léry, francês do século XVII, também mencionou a farinha, mas a relacionando ao milho, bem como pimenta pilada no sal e bananas da terra.

Esses escritores mostram que já naquela época a base da culinária dos índios eram alimentos que influenciaram fortemente a gastronomia brasileira.

Pratos típicos indígenas

Engana-se quem acha que todos os índios possuiam os mesmos hábitos culinários. Cada tribo tinha uma culinária bastante específica. Todos costumavam se alimentar de frutas silvestres, pescados, raízes e outros alimentos. No entanto, cada comunidade criava seus pratos típicos a partir destes alimentos, sempre unindo novidade e tradição do seu povo, tal qual fazemos hoje.

Vamos ver algumas comidas indígenas que usamos no cotidiano.

Mandioca

Conhecida como macaxeira ou aimpim dependendo do lugar, a mandioca é a base da culinária indígena. Grande fonte de carboidratos, os índios faziam desde farinhas a bebidas com a mandioca. Hoje, é o alimento-base também de 800 milhões de pessoas no mundo inteiro.


crianças preparando alimento


Beiju

É um prato muito parecido com a Tapioca e às vezes confundido com ela. Era muito consumido pelos inígenas que habitavam a região nordeste, particularmente o estado de Pernambuco. Trata-se de uma espécie de panqueca feita com a massa da mandioca espalhada pela frigideira. Costuma ser recheada com diversos sabores, como queijo coalho e coco.


comida indígena

Tapioca

A tapioca é preparada com o amido da mandioca, que cria uma espécie de farinha. Ao ser esquentada, se torna uma goma de sabor neutro que combina com os mais variados recheios. Caso nunca tenha experimentado, não perca a chance porque hoje em dia é encontrada em qualquer supermercado.


receita dos índios

Moqueca

A moqueca vem da línga indígena que significa assado de peixes. Hoje é consumida na maioria das regiões como um cozido de peixes, mas sua origem é de assado. Os índios faziam o peixe em grelhas bambus. Ao longo do tempo sofreu alterações a partir dos portugueses e africanos, mas sua origem está na culinária indígena.


invenção indígena


Canjica

Não se sabe ao certo as reais origens da canjica, também conhecida como mungunzá em algumas regiões do Brasil. É certo que se trata de um prato consumido pelos indígenas, provavelmente os tupinambás. Feita com milho, dizem que era consumido puro, até os portugueses acrescentarem leite, açúcar e canela.

alimento com milho


Bebidas

Os indígenas americanos preparam uma bebida através de um processo de fermenação. Eles utilizam milho, caju, jabuticaba, macaxeira, jenipapo e mangaba.


Cauim

Também chamado de cahoi, é uma espécie de vinho, feito a partir da fermentação da mandioca ou do milho, que eram misturados a sucos de frutas. O alimento principal era cozinhado, mastigado e recozido para obter a fermentação. Dessa forma, as enzimas presentes na saliva humana quebram o amido de açúcar fermentável.


bebida fermentada dos índios


Caxiri

Os índios Macuxi, que vivem na região de Roraima, preparam o Caxiri através da mandioca braba. Ela passa por um processo de purificação, e em seguida perde sua casca para passar em um ralo. Obtém-se então uma massa pastosa, que é misturada com água. Essa bebida é preparada apenas pelas mulheres da tribo.


bebida feita pelos índios


Categorias antropológicas da culinária indígena

Os alimentos indígenas podem ser separados em seis categorias relacionadas à antropologia. Segundo o pesquisador paraense Abguar Bastos, esses alimentos divedem-se em Mágicos, de Resguardo, Compensatórios, Interditos, Sagrados e Privativos. Vamos entender cada um deles.

rituais indígenas

Alimentos Indígenas Mágicos

Os alimentos mágicos podem ser comidos por índios ou separados para que os espíritos os comam. No primeiro caso, o objetivo é conseguir realizar algo com ajuda do alimento. Por exemplo, caçadores de algumas tribos costumam ingerir infusões de vegetais para capturar determinado animal. No segundo caso, o pajé separa uma parte do alimento para que os espíritos possam se alimentar.


Alimentos Indígenas de Resguardo

Esses são consumidos em determinado processo de passagem de um estado social a outro. É normalmente um rito, uma cerimônia em que o indígena assumirá outra posição dentro da tribo, como nos casos de casamento. Essas comidas são ingeridas apenas nesses períodos porque os indígenas acreditam que, fora do rito de passagem, elas trariam consequências negativas para a pessoa. Por isso são comidos apenas em nascimentos, gestação, matrimônios e funerais.


índios preparando peixe


Alimentos Indígenas Interditos

São alimentos que os indíos não comem. Ou seja, eles são proibidos em algumas tribos por uma razão mitológica. Em grande parte das vezes os índios acreditam que o animal foi um humano em outros tempos, e por isso lhe devem respeito. Há outros casos, como acontece com os Kaingang do sul do Brasil, que não comem tamanduás porque, para eles, foi este animal que os ensinou a cantar e a dançar, e por isso lhe devem gratidão.


Alimentos Indígenas Privativos

Os indígenas separam certos alimentos que só uma parte da comunidade pode consumir. Os Suyá, do Mato Grosso, por exemplo, dedicam os miúdos da anta apenas para os homens. É o caso também dos Erigpagtsá, que reservam a cabeça dos macacos e porcos dos matos para os homens.


índigenas preparando comida


Alimentos Indígenas Compensatórios

São alimentos oferecidos como agrado, presente ou recompensa. Normalmente o indío realizou uma tarefa difícil, como a construção de uma oca. É uma forma de fortalecer os laços entre os indígenas e as famílias.


Alimentos Indígenas Sagrados

Os indígenas consomem os Alimentos Sagrados para serem influenciados espiritualmente por eles. Também podem estar relacionados a ritos de passagem, como a Kariana, um rito de puberdade no qual as meninas consomem um prato feito com pimenta, peixe cozido e defumado. No Amazonas, a tribo dos Marubo canta sobre um pote de mingau para oferecer a doentes, pois segundo eles o canto sagrado irá tirar a doença do enfermo.


Prove e valorize a culinária indígena que herdamos!

pratos típicos dos índios


Esperamos que você tenha gostado desse passeio pela gastronomia indígena. São muitos pratos que existem na nossa culinária sob influência da alimentação indígena. Por isso, precisamos valorizar essa culinária que herdamos, e levar para todos que ainda não experimentaram!

Não deixe de continuar o passeio pela riqueza cultural da gastronomia e culinária brasileira! Abaixo você encontra muitos outros artigos relacionados a nossa cultura e pratos típicos.



Culinária brasileira:


Continentes:



Comidas e pratos típicos do Reveillon

Quando se fala em fim de ano é impossível não pensar em comidas típicas do reveillon. Jantares pré ano novo e almoços de comemoração da data, por exemplo, fazem parte da tradição da data.

Muitos pratos estão presentes nas ceias de ano novo, incluindo aperitivos, bebidas, pratos principais e sobremesas. Listamos aqui as receitas mais populares, que deixam as festas de ano novo ainda mais gostosas:

 Sopa de Lentilha


Ceia de Ano Novo


Reza a tradição que a sopa de lentilha traz prosperidade e fortuna, e por isso ela é servida como prato típico da ceia de Ano Novo. Também faz parte do ritual de boa sorte, que é enterrar um grão de lentilha. Muitos pés da planta crescerão, o que mostra o quanto esse alimento representa bonança.


Porco Assado

ceia de ano novo



Pratos com porco também fazem parte da tradição para um ano novo de sucesso. A lenda diz que, ao contrário de aves, esse animal só anda para frente. Saborear esse prato simboliza um ano novo com avanços. Além de ter uma carne saborosa, a combinação dele com os outros ingredientes da ceia de Ano Novo pode te deixar com água na boca.

Farofa


reveillon


A farofa não pode faltar em nenhuma ceia brasileira. Feita com ingredientes especiais, como bacon em cubinhos, uva passa, milho entre outros, ela deixa as refeições de fim de ano com um toque especial.

Saladas

Reveillon

As saladas com frutas são uma boa pedida para casar com os sabores da ceia de fim de ano. A salada com bacalhau também ajuda a atrair bons ventos para o novo ano que se aproxima.

Uvas


frutas ano novo

Outro ingrediente da tradição para um ótimo ano é o cacho de uva na mesa para a hora da virada do ano. Ele promete trazer felicidade e sorte para quem o consome.

Espumante

bebida ano novo

Item importante na hora da virada, o espumante está presente nos brindes de comemoração do ano que chega.


Além de gostosos esses pratos são carregados de tradições, superstições e promessas de boa sorte. Acreditando nelas ou não, é sempre bom acreditar que um ano melhor está por vir.

Leia também
Comidas típicas do Natal pelo mundo
Os pratos tradicionais da Ceia de Natal

O curso Bolo no Pote, de Marcia Tozo

Curso


Em tempos de crise é preciso se virar para não ficar "no vermelho". Não são poucas as pessoas que decidem iniciar um "Plano B", seja para complementar a renda mensal, seja para mudar de ramo. E também não é pequeno o número daqueles quem têm sucesso. Muitos saem da crise e ainda passam a ganhar muito mais.

É complicado fazer investimentos ou abrir um negócio novo.  A crise nos aperta, e precisamos realizar algo que seja de baixo custo, mas com alto retorno. Algo que, a princípio, ao menos cubra as contas que você não consegue pagar no final do mês. E é por isso que, cada vez mais, o curso de bolo no pote online faz sucesso.

Vá direto para a página que sugerimos clicando aqui.


Por que bolos no pote dão lucro?

Porque essa é uma das maneiras mais simples de ganhar dinheiro e um dos investimentos mais baixos. Já tratamos disso no nosso site, e inclusive abordamos se vale a pena começar a vender bolos no pote. Fizemos um cálculo baseado em uma média, e percebemos que o lucro é mais de 100%! Você pode ler esse artigo no link abaixo:



Como uma forma de complementar o artigo publicado sobre o tema, já que muitas pessoas têm dúvidas, hoje vou falar do curso que considero o melhor para quem deseja entrar no negócio. Além disso, abordo o tema porque descobri que este curso está com um valor promocional, e quero ajudar os leitores e leitoras que demonstraram interesse no ramo. Vamos analisar o curso?



Sobre o curso

O curso é elaborado pela especialista Marcia Tozo, e traz receitas voltadas para as vendas. São bolos, tortas e naked cakes especiaisOu seja, você não precisará testar os sabores e as formas de montagem que o público mais gosta. Baseado em anos de experiência de vendas, a autora conseguiu reunir, em um e-book, os doces mais pedidos no momento. Ela também escreveu de uma forma simples e fácil de aprender. 


Lucro

O cálculo da autora do curso online é muito aproximado do que fizemos, pois ela afirma que as pessoas que adquiriam o curso passaram a lucrar mais de 5 mil reais por mês no próprio negócio.


Vale a pena? É bom?

Márcia Tozo promete que o curso será um divisor de água na sua vida. Vamos analisar cada aspecto do curso de bolo no pode para ver as vantagens e saber se ela tem razão? Acompanhe:

Suporte

A primeira grande vantagem é o suporte. A própria Marcia Tozo se dispõe a responder, durante 24 horas, todas as dúvidas dos alunos. Além disso, você pode contatá-la em múltiplos canais: e-mail, Facebook e hatsapp.


Formato

Não há como dizer que o curso não é flexível, pois ele é 100% digital. Isso facilita a aprendizagem, já que você poderá estudar onde quiser e no horário que desejar. A adequação à sua rotina garante um melhor aprendizado, já que você terá conforto.


Conteúdo

Já demonstramos que há a grande vantagem de você aprender só as receitas de sucesso em vendas. Desconheço qualquer curso que faça isso. Outra vantagem é a ajudinha da Marcia Tozo com as futuras receitas. Sempre que ela descobre um novo sabor, que foi aprovado pelo público e gerou lucro, ela avisa os alunos. É mole? Assim você mantém seu cardápio sempre atualizado.


Parte técnica

Todos os grandes confeiteiros do mundo têm dicas e truques, como você deve saber. Muitas das suas técnicas são reveladas no curso. Isso torna mais fácil a preparação de receitas, e a aprovação do público é garantida.

      Bônus especiais


    O bônus oferecido por Marcia também é uma "mão na roda". Todo o trabalho com rótulo e embalagem pode ser poupado. O curso vem com etiquetas e tags exclusivas para facilitar a produção e melhorar as vendas, dando uma bela cara ao produto. As etiquetas já vêm com o nome das receitas. Você só precisará imprimir na sua casa ou em uma gráfica. Além disso, ela lhe enviará uma planilha para você fazer o cálculo do custo dos bolos e quanto irá ganhar de lucro.

    Garantia incondicional

Uma grande vantagem do curso é a possibilidade de desistência da compra. Ou seja, você não precisa temer quanto à qualidade do conteúdo. Marcia confia tanto no seu material, segundo ela mesma, que oferece 30 dias de garantia incondicional, sem multas, nem taxas de devolução. Assim, você se sente absolutamente seguro do que está fazendo, pois trata-se de um ótimo negócio.


Renda

O lucro é a maior vantagem do curso de fazer bolos no pote. Não que outros cursos não proporcionem o lucro, mas os alunos da Marcia estão ganhando entre 3 e 5 mil reais por mês. Por isso é o mais conceituado que você achará na internet.

Autora

Marcia Tozo é uma confeiteira experiente e que sabe explicar. Ela se especializou no preparo de receitas práticas, saborosas e lucrativas. O seu trabalho é feito com dedicação, paixão e amor, e isso o diferencia. Ela mesmo se refere ao trabalho como "Mundo Açucarado".

Veja Marcia Tozo apresentando o curso:





Dados técnicos do curso

Preço

O preço do curso é é 139,00, MAS, como eu disse anteriormente, há um valor promocional, que é de apenas 79,00.

Como fazer para comprar?

Diretamente na página da autora, nesse link. O pagamento pode ser feito por boleto, Paypal ou cartões Visa, Mastercard, American Express e Hipercard.

Dúvidas?

Se você ainda tem dúvidas ou deseja saber mais, acesse a página do curso clicando aqui.


Leia também:




Comidas típicas de Natal pelo mundo

comidas natalinas dos países

Não é difícil pensar em comidas natalinas. Quando se fala em Natal, além dos bons sentimentos que a tradição nos lega, trazemos à mente os saborosos pratos do nosso país. Mas e as comidas típicas de Natal pelo mundo? Você as conhece? Sabe de algum prato que é comido em países que não falam a língua portuguesa? Vamos conhecer alguns aqui. 

O Natal é celebrado no mundo todo, e de várias formas. Se você já leu nossa postagem sobre os pratos típicos natalinos do Brasil viu que no cristianismo é comum a incorporação de elementos locais dentro da tradição. E com o Natal, que é uma das datas mais importantes do Ocidente, não foi diferente. 

Sendo assim, cada país possui sabores únicos, que colaboram para a tradição universal que antecede o nascimento do Deus Menino. Vamos conhecer um pouco dessas delícias?


Alemanha

Assim como em muitos países, a festa de Natal alemã começa no dia 6 de dezembro. Inicia-se a preparação com a confecção de presentes, lembranças, decorações e a feitura de doces saborosos. As crianças escrevem cartinhas para Christkind, um anjo que traz presentes. As árvores levam grinaldas para esperar o Papai Noel.

Früchtebrot 

É o "panetone" dos alemães. Assim como o pão italiano, esse prato é doce e recheado com frutas. Ele é apreciado fresco na manhã de Natal,e possui um sabor de mel. 


Pão alemão de Natal


Pfeffernüsse 

Essa bolachinha é uma tradição em toda a Alemanha. À primeira vista lembra o pão de mel brasileiro, que é coberto com glacê. Mas diferente deste, o cookie Pfeffernüsse é coberto com açúcar refinado e leva especiarias saborosas na preparação.


Cookie natalino da Alemanha


Glühwein

Trata-se de uma bebida, uma espécie de vinho especial que pode ser comprado nos mercados da Alemanha no período de Natal. Feito com cravo, limão e canela, o Glühwein é apreciado quente.


Bebida do Natal alemão




Austrália

Assim como no Brasil, na Austrália o Natal chega em uma das épocas mais quentes do ano. Os australianos comem churrascos ao ar livre e frutos do mar locais no almoço de Natal. As famílias penduram enfeites natalinos nas casas, mas passam a maior parte do tempo fora comemorando.

Pavlova Merengue com frutas

A receita pode levar quiuí, framboesas, banana e maracujá. Seu exterior é crocante, e o interior é macio. Os sabores dessas frutas de verão combinam muito com o Natal australiano.


Prato natalino australiano


Sugar Plum Pudding with Anise e Cajeta

A tradução é "pudim de açúcar e ameixa com anis e cajeta". Feito com caramelo, esse é um dos pratos que não faltam na mesa de Natal australiana.




Christmas Mince Pies

Herdado da Grã-Bretanha, essas pequenas tortinhas de frutas são ótimas opções para a pré-ceia de Natal. Na Austrália não há quem resista a elas.


Tortinha natalina da Austrália



Canadá

O Canadá incorpora culturas distintas em tudo o que fazem, como já vimos aqui no blog. No Natal não é diferente. Algumas famílias comemoram no estilo inglês, outras à maneira francesa e outras de acordo com a tradição alemã. Mas o fato é que, independentemente da herança praticada, sempre a quantidade de comidas consumidas é muita.


Cookies Shortbread

É um dos cookies favoritos dos canadenses. De preparado muito rápido, essa receita faz a alegria das crianças no Natal.


Comida do Natal canadense

Nanaimo Bars 

Uma espécie de bolo - em barra - com três camadas. A primeira base possui uma parte crocante e doce, no meio há um creme saboroso, e a cobertura possui a quantia ideal de chocolate para qualquer amante do doce.


Barra natalina da Austrália




França

O Natal na França começa no dia 6 de dezembro. Lá é chamado de Noel e, por ser uma data muito especial, há 12 dias de férias antes da celebração. Os franceses fazem reuniões familiares, muitas festas e um jantar, que, seguindo a tradição latina, pode começar antes ou depois da Missa do Galo. Isto é, no início do Natal ou na Véspera dele.

Bûche de Noël

É um tipo de bolo em forma de tronco, ou toras, de madeira. É um clássico do país, e, além de ser saboroso, é uma ótima decoração para a mesa de Natal. O prato típico também simboliza a temporada de férias.


Comida típica natalina da França


Punitions 

São espécies de bolachinhas doces muito fáceis de fazer, e que as crianças adoram. Na hora da preparação, o cheiro se espalha pela casa, que traz à memória dos australianos as lembranças natalinas da infância.


Prato francês de natal




Grécia

Assim como na maioria dos países, o Natal grego é uma data para celebrar com a família. A religião é ainda mais importante na data grega. Como no Brasil, as famílias vão à missa da meia-noite antes da Ceia. Para manter os maus espíritos afastados - os Killantzaroi -, os gregos penduram raminhos de manjericão nas casas.

Kourabiedes

Esses pãezinhos muito saborosos levam extrato de amêndoa que lhes caracteriza. São revestidos com muito açúcar refinado, que deixa o sabor ainda melhor. Uma das suas grandes qualidades é a massa, que derrete na boca.


Prato típico natalino da Grécia


Christopsomo

Um pão doce muito parecido com o Panetone, que é conhecido como "Pão de Cristo". Ele é feito na noite de Natal com os melhores ingredientes. Por isso, antes mesmo da Ceia, ele já desaparece da mesa.


Comida tradicional natalina


Baklava

Trata-se de um prato clássico da Grécia, que no Natal ganha uma importância ainda maior. Ele capta o espírito de férias no país e do Natal com seus sabores doces.


Prato grego de Natal




Itália

O clima natalino já começa em festas anteriores, dedicadas a santos importantes para os italianos. A família é foco nesse período. Crianças de muitos países enviam cartas para o Papai Noel, na Itália elas escrevem para seus próprios pais.

Amaretti

Esse prato é simples de se fazer e por isso está sempre presente na mesa de Natal. O ingrediente principal é a amêndoa, que dá a esses biscoitos um sabor leve. Eles combinam perfeitamente com essa época do ano.


Prato típico da Itália

Panettone

O pão doce com frutas cristalizadas é um velho conhecido dos brasileiros. Parecido com um muffin, possui um sabor único. Há, hoje, muitas variações no mercado, como com chocolate trufado e com recheio de doce de leite.


Pão natalino da Itália


Struffoli

São bolinhas de massa fritas que levam raspa de limão e avelã. Podem ser comidas com outras delícias. O fato é que, no Natal, todos comem muito Struffoli.


Pratos típicos italianos




México

A data do Natal é diferente no México. Ela começa no dia 12 de dezembro e vai até 6 de janeiro. As crianças realizam performances, chamadas Posadas, que contam a história de José e Maria.Elas só recebem seu presente no último dia, quando é comemorado El Día de los Reyes. Nessa data a alimentação é o ponto mais importante. 

Bacalao

Um prato um tanto diferente dos demais consumidos no mundo no Natal. É feito com bacalhau salgado e leva especiarias e vegetais que são a cara do México.


Prato mexicano de Natal


Tamales

Não podia faltar sabores picantes no Natal, que são a marca registrada do país. É um prato clássico que dá um pouco de trabalho, mas que, como vale a pena, os mexicanos jamais dispensam.


Comida típica natalina


Bolas de nieve

Parecem uma versão de cookie de manteiga, mas o sabor é diferente de qualquer outro. Levam nozes e gotas de chocolate cozido.

                                 Prato de Natal no México


Polônia

O Natal inicia com o Advento, e é uma época para refletir, de modo simples, o significado do feriado. Os poloneses mantêm jejum na véspera até quando a primeira estrela aponta no céu. Fazem então um grande banquete para amigos e famílias, que é chamado de Wigilia.

Chrusciki

São bolinhos fritos em forma de laços, muito parecido como o famoso "cueca virada" brasileiro. A preparação leva laranja, creme azedo e um pouquinho de uísque. Depois, acrescentam açúcar para deixá-lo ainda mais saboroso.




Makowiec

É um bolo recheado com sementes de papoula. É úmido e bastante doce, e é comido como uma sobremesa para as férias.


Rússia

Os russos também comemoram o Natal no dia 25 de dezembro, mas, como eles seguem o calendário juliano, a data cai no dia 7 de janeiro dos países católicos romanos. A celebração se inicia no nosso dia 31 de dezembro, e vai até o dia 10. Assim como na Polônia, um jejum acontece até a primeira estrela surgir no céu. Em seguida, a família se alimenta em uma tigela única, como simbolo da unidade.

Bolinhos do chá do russos

Feitos com manteiga e nozes, são açucarados e lembram o pão de mel brasileiro. 


Comida natalina



Russian Korolevsky (Bolo de Reis)

Esse bolo, que as crianças adoram, possui três camadas. São utilizadas sementes de papoula para agregar uma textura distinta a esse saboroso doce.

Bolo natalino russo


Suécia

Antes mesmo do Natal chegar, os suecos comemoram uma das grandes celebrações de férias, o Dia de Santa Lúcia, no dia 13 de dezembro. Na véspera do nascimento do Menino Jesus, há celebração, festa e troca de presentes. Há muita diversão, canto e júbilo. As crianças vestem-se de branco e carregam velas para celebrar o dia.

Swedish Meatballs

À primeira vista, o prato é apenas o "bolo de carne sueco". Mas ele traz um sabor diferente, e por isso é um excelente complemento para o Natal. Para ter um gosto único, a receita leva de cebola a café expresso.



comidas típicas natalinas da Suécia


Risgrynsgröt

É uma espécie de arroz doce, mas com uma consistência mais próxima do pudim. Na finalização, também usam especiarias como canela.

                         Prato natalino sueco

Lussekatter

Esse bolinho é comido todos os anos no Dia de Santa Lúcia. Ele é úmido, macio e muito saboroso. Por isso, é difícil para os suecos aguardarem o ano para comê-los.

                                   Prato típico sueco de Natal



E o seu Natal?

Independentemente das diferenças locais - principalmente de horário - os alimentos têm importância primordial na celebração em qualquer lugar do mundo. O que importa nessa data é se lembrar do porquê a comemoramos.

Os sentimentos de renovação vêm à tona, mesmo após um ano difícil, porque absorvemos a certeza de vale a pena ter esperança. Porque não é todo dia que um Deus nasce, e, quando acontece, sabemos que tudo irá melhorar.

Feliz Natal e aproveite a refeição!


Posts relacionados: